Ambiental

Abrangendo todas as suas operações, a Política Ambiental da TIM descreve três compromissos básicos: a proteção ao meio ambiente, o atendimento aos requisitos legais e normas da organização e a melhoria contínua do Sistema de Gestão Ambiental (SGA) para aumentar o desempenho ambiental. Além disso, compromete-se com vários princípios, entre os quais, destacam-se gestão de resíduos, consumo eficiente de recursos naturais e melhoria contínua e prevenção da poluição.

Com práticas totalmente alinhadas aos seus normativos, o SGA da TIM, desde 2010, detém a certificação ambiental ISO 14.001 para o Gerenciamento e Operação da Rede nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Espírito Santo.

Em 2020, a Companhia operou com mais de 21 mil Estações Rádio Base (ERB). Todas possuem licença da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), responsável pela regulação dessa atividade. O lugar de instalação precisa estar autorizado pelo órgão local competente e por licenças urbanísticas e ambientais quando aplicável. Por ter uma cobertura nacional, desse total de ERBs, 149 estações se localizam em áreas de preservação (APA ou APP). A Companhia também realiza monitoramento periódico dessas localidades para que suas atividades não causem impactos à biodiversidade.

Em sua rede, ao final de 2020, a TIM possuia 1.679 biosites ativos. Entre os aspectos positivos, os biosites reúnem soluções tecnológicas sem causar impacto visual na paisagem, ocupando menos espaço físico para instalação da estrutura.

Para conduzir suas operações dentro dos padrões exigidos pela legislação e, principalmente, para fortalecer seus processos de gestão de riscos ao meio ambiente, a TIM mantém equipes para acompanhar os casos de não conformidade, como a regularização de ERBs e prédios técnicos com data centers.

Para obter mais informações sobre a gestão ambiental da TIM, acesse nosso Relatório ESG.

A TIM depende da oferta constante de energia a custo competitivo para atender a estrutura física da rede de telecomunicações, das lojas próprias e dos prédios administrativos. Por sua importância estratégica e impactos, além de ser um tema material para a Companhia, a gestão de energia faz parte dos compromissos assumidos no Plano ESG 2021-23, com metas quanto à transição para energias renováveis e redução de emissões.

O Plano Estratégico 2021-23 reflete a preocupação de estabelecer o uso mais eficiente da energia para o tráfego de dados e assume o compromisso de melhorar em 80% a eficiência energética até 2025. Para atingir a meta, a TIM substitui equipamentos por outros mais eficientes, aprimora os processos produtivos e monitora por meio do indicador de ecoeficiência.

A Companhia mantém uma área centralizada para fazer a gestão da energia consumida em todas as operações. Entre outras atribuições, a equipe responsável planeja e monitora o consumo e os projetos de eficiência energética.

A TIM pauta a gestão de energia em duas frentes: a eficiência energética e a busca por fontes renováveis.

Veja abaixo os dados de consumo de energia da TIM:

CONSUMO DE ENERGIA DENTRO DA ORGANIZAÇÃO (GJ)
FONTES 2018 2019 2020
CONSUMO DE COMBUSTÍVEIS1
Gasolina 21.249 21.686 15.431
Etanol Hidratado 5,38 5,96 0,4
Diesel – Veículos 896 870 525
Diesel – Geradores 14.594 9.846 12.263
CONSUMO DE ELETRICIDADE2
Eletricidade 2.529.651 2.581.713 2.259.822
TOTAL 2.566.395 2.614.121 2.288.041

Em 2020, houve redução nos deslocamentos devido a adoção da modalidade de trabalho home office decorrente da pandemia, com menor consumo de combustíveis. Quanto aos geradores, houve um aumento no consumo de diesel devido à necessidade de suportar a continuidade da prestação do serviço, como consequência das condições e eventos climáticos, por exemplo o “ciclone bomba” que ocorreu no Sul do Brasil em junho de 2020, e quedas de energia, como o apagão ocorrido no Amapá em novembro de 2020.

A TIM vem promovendo ações para aumentar a eficiência no consumo de energia, como o desligamento gradual da rede 2G, remoção de equipamentos obsoletos ou sem uso e a substituição por outros mais eficientes. O consumo total de energia elétrica da TIM em 2020, em MWh, foi de 627.254, sendo 224.522 MWh não renovável e 402.732 MWh renovável.

Para obter mais informações sobre a gestão de energia da TIM, acesse nosso Relatório ESG.

Gestão de Resíduos

A gestão eficiente e responsável de resíduos sólidos está prevista nos objetivos assumidos pela TIM no Plano ESG 2021-23. A Companhia tem como meta reciclar pelo menos 95% de resíduos decorrentes de suas operações e manter esse nível até 2023. Com isso, pretende limitar o descarte de resíduos em aterro em até 5%. Previsto na Política Ambiental, o cuidado com os resíduos segue as exigências da legislação e procura ir além. Em cumprimento à Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/2010), a Companhia compartilha com seus parceiros de negócios a responsabilidade pelo recebimento e destinação ambientalmente adequada dos equipamentos eletrônicos no pós-consumo (como smartphones, modens, baterias e acessórios).

Veja abaixo os dados de resíduos da TIM, discriminados por tipo e método de disposição:

RESÍDUOS, DISCRIMINADOS POR TIPO E MÉTODO DE DISPOSIÇÃO (t)
2018 2019 2020
Reciclados1 593 692 1.940
Baterias da Rede (perigosos) 548 559 485
Sucatas eletroeletrônicas, cabos e metais (não perigosos) 90 1.431
Celulares, baterias e acessórios fora de uso (perigosos) 0,6
Lâmpadas (perigosos) 2 0,1
Papel e plástico (não perigosos) 43 43 24
Reúso2 17
Recuperação de equipamentos eletroeletrônicos de clientes (modens, repetidores e acessórios) 17
Aterro sanitário3 309 351 74
Total 902 1.043 2.031
Total de resíduos perigosos 550 559 485
Total de resíduos não perigosos 352 484 1.546

Variação ocorreu devido à: frequência de destinação; aumento na quantidade de sucata metálica e de eletroeletrônicos da Rede (projeto Decomissioning), inerente ao processo de substituição de equipamentos obsoletos; menor geração de resíduos pelo uso parcial dos escritórios; e uso de lâmpadas de LED que tem maior durabilidade.

A partir de 2020, a TIM passou a apresentar os seus produtos recuperados (refurbished) que foram desenvolvidos pelos clientes.

Considera resíduos orgânicos, que tiveram uma menor geração pelo uso parcial dos escritórios.

Para obter mais informações sobre a gestão de resíduos da TIM, acesse nosso Relatório ESG.

Gestão de Emissões

Do mesmo modo que os serviços de telecomunicações contribuem para as emissões de Gases de feito estufa (GEE), as suas operações também estão expostas aos riscos provocados pela mudança climática. Para a TIM, a gestão das emissões constitui um fator estratégico para a continuidade e a criação de valor do negócio.

Em sua Política de Gestão da Mudança do Clima, a TIM trata como imprescindível a implementação dessas medidas de mitigação e adaptação para o bem-estar da sociedade. O normativo estabelece princípios que devem ser aplicados a todas as atividades da empresa no Brasil com o objetivo de promover a gestão eficiente das suas emissões de GEE. As resoluções do documento se apoiam nas exigências da legislação nacional e internacional, determinações de órgãos reguladores e diretrizes do Grupo TIM Italia.

Como parte do compromisso com a sociedade, a TIM realiza o inventário anual das fontes emissoras de GEE originadas na operação. Elas ocorrem em etapas das atividades, como operação dos equipamentos, manutenção de prédios e lojas, e deslocamento de funcionários, em que há consumo de energia e de combustível, com a consequente emissão de GEE, de forma direta ou indireta. O inventário é auditado por terceira parte independente. Em 2020, a Companhia conseguiu reduzir suas emissões indiretas de escopo 2 em 28% e suas emissões combinadas de escopo 1 e 2 (meta carbono neutro) em 30%, considerando a compra de créditos de carbono para compensação do escopo 1, que reforça as iniciativas de redução de emissões.

De forma transparente, a Companhia expõe o relato de suas emissões, estratégia, gestão dos riscos e oportunidades, metas e outras iniciativas no site do Carbon Disclosure Project (CDP) e na plataforma de registro público do GHG Protocol, verificados por terceira parte.

Para obter mais informações sobre a gestão de emissões da TIM, acesse nosso Relatório ESG.

Gestão do Consumo de Água

As atividades da TIM não demandam uso intensivo de água – o maior consumo ocorre nas sedes administrativas –, mas apesar de o tema não fazer parte dos tópicos materiais da Companhia, a proteção ao meio ambiente é um compromisso básico da Política Ambiental, razão pela qual indicadores relacionados à água continuam sendo monitorados.

Em 2020, houve uma redução significativa do consumo de água nos escritórios administrativos, de 38%, justificada pela adoção do home office para os colaboradores. A Companhia mantém a meta de redução de mais 1% para 2021, em relação a 2020.

A TIM mantém também projetos de reaproveitamento da água de chuva e da condensação de sistemas de ar condicionado.

Para obter mais informações sobre a gestão do consumo de água da TIM, acesse nosso Relatório ESG.

Copyright TIM S.A. 2021 - Todos direitos reservados.